quarta-feira, agosto 29, 2007

Rio Como Vamos

O empresário Oded Grajew começou seu discurso perguntando:
- Alguém sabe quais são as metas de educação da atual prefeitura do Rio para o fim do mandato? E para a saúde?
Silêncio no auditório da Federação do Comércio do Rio. Ele continuou:
- E as metas do governo estadual ou do federal? Vocês fazem parte de um público formador de opinião e não sabem. Simplesmente porque não existem metas. A gente não tem critérios técnicos para avaliar o desempenho dos nossos administradores públicos.
Com seu jeito calmo e cabeleira branca, Oded então explicou o principal objetivo daquelo grupo: inspirado no programa Bogotá Como Vamos, que em dez promoveu uma revolução social na capital colombiana, o Rio Como Vamos pretende criar critérios técnicos de análise e avaliação das gestões públicas. Oded estava ali como um pioneiro, já que participa do grupo que lançou movimento idêntico em São Paulo, chamado Nossa São Paulo, Outra Cidade.
Se tudo correr como na Colômbia, os parâmetros criados pelo grupo gerarão metas que os prefeitos terão de se desdobrar para cumprir. Sob pena de serem penalizados nas urnas. Em Bogotá, três administrações sucessivas de prefeitos de partidos diferentes deram continuidade aos projetos das gestões anteriores porque esse era o desejo expresso pela população.
- Esse programa estimula a democracia participativa. E é isso o que precisamos para mudar o jeito de governar no Brasil. Alguém aqui sabe qual é o orçamento da prefeitura do Rio para 2007? Pois é, enquanto nós continuarmos não nos preocupando com o orçamento, ele vai continuar ficando nas mãos de quem se preocupa com ele.
O Rio Como Vamos, assim como o seu inspirador colombiando e o primo paulistano, é um grupo apartidário, formado apenas pela sociedade. E a intenção é mudar a realidade que o Nossa São Paulo encontrou na pesquisa realizada pelo Ibope junto à população. A revelação foi feita por Oded:
- Sabem qual o maior sonho dos paulistanos, identificado na pesquisa? Que as coisas não piorem.

3 comentários:

M. disse...

Eu gostaria que as coisas melhorassem. Fico na esperança que aqui dê certo como na Colômbia.

Vivi disse...

Eu não sou profunda conhecedora de política. Acho que faltou isso na minha educação, e falta ainda na educação de muito brasileiro. Sabe aquela história de que se cada um fizesse um pouquinho? Putz, isso funciona muito. As comissões dos bairros estão aí para provar. No meu bairro as senhorinhas trabalham arduamente para trazer melhorias, e em pouco tempo é visível q dá certo. Acho q todos nós precisávamos ser um poquinho mais participativos.

Celina disse...

Se alguém me perguntasse qual meu maior sonho como paulistana, diria que era melhorar o trânsito nas ruas (ou um transporte público eficaz).
É impressionante o tamanho dos congestionamentos nas horas e lugares mais estranhos. Cansa!