sexta-feira, abril 13, 2007

O pé de maracujá

Ele começou tímido, insinuando-se por um poste. Como ninguém o notava, ganhou confiança e se desenvolveu. Quando finalmente perceberam sua existência, já fazia a alegria dos taxistas da rua Sacopã, na Fonte da Saudade, com seus frutos doces. Emoldurava a entrada da rua, garbosamente pendurado nos fios da rede elétrica que a cruzavam. Foi esse seu erro.
Depois de um verão extremamente seco, veio uma chuva forte. Molhado, mais pesado e sacudido pelo vento, ele provocou panes que alertaram a central. A Light, então, enviou seus agentes com licença para podar. Impiedosos, eles o cortaram pela raiz.
Desde então, o pé de maracujá da Rua Sacopã agoniza lentamente, secando aos poucos, em plena praça pública.

4 comentários:

Sharon Eve disse...

nãããão!
pobre pé de maracujá!
já sinto saudade das flores que não chegam.

Vivi disse...

Putz, eu fico arrasada quando arrancam alguma árvore daqui do bairro. Por causa das chuvas tiraram uma árvore que ficava perto da janela do meu quarto, junto com ela os passarinhos...

Celina disse...

E dizem os agrônomos ser possível "transplantar" árvores de um lugar para outro. No curto prazo pode parecer caro demais, mas a natureza vai apresentar sua conta com o passar dos anos...

Ferdi disse...

Sharon, o taxistas da Rua Sacopã, também sentem falta. Menos das flores, mais dos frutos.
Vivi, eu também costumava acordar com passarinhos cantando quando morava em SP. Estranhamente, isso não acontece aqui no Rio, onde tem muito mais verde.
Celina, acho que transplantar o pé de maracujá até seria possível. A dificuldade maior ia ser desenrolar seus ramos de trepadeira da fiação elétrica. Acreditem, ele era gigante. Muito grande mesmo!