quinta-feira, março 29, 2007

Flagrante social

Antes das oito da manhã, elas pintam a Fonte da Saudade de xadrez com seus uniformes de novela. Entediadas, algumas com cigarros acesos, passeiam cockers, bassets, poodles, schnauzers... Toda sorte de miniaturas caninas que certamente custam, em cuidados mensais (banhos, tosas, rações, medicamentos, vacinas e consultas veterinárias), mais do que o salário que elas recebem para lavar, passar, limpar, fazer cama, cozinhar e ainda levar o lulu ao banheiro logo cedo... É possível ainda que muitos desses patrões e patroas conversem mais com seus pets (naquela vozinha infatilóide irritante) do que com elas durante o dia. Mas pelo menos elas têm uma vantagem: podem ser abatidas do imposto de renda na maior democracia racial do mundo.

2 comentários:

Celina disse...

Depois do escândalo que foi a festa de aniversário do lulu de Vera Loyola, fazia tempo que não lia nada sobre o tema...

Don Rodrigone disse...

Uau. Foda! Raro alguém atentar para essa questão... cachorrinhos fofinhos são muito mais do que gente... e os defensores gritam "mas ao menos eles não traem, não mentem, não manipulam"... é, mas mijam no tapete e não pensam.... enfim, já estou viajando, acho.

abraço!